11.7.14

Estes últimos dias foram bastante mais produtivos na cozinha:

andei a experimentar tostas fancy feitas em pão de Mirandela. Fiz uma de nectarina e gruyère (as gotinhas de vinagre e mel nisto são deliciosas!), que acompanhei com rúcula e figos, e esta de cogumelos e crème fraiche (e aqui dei conta da tão-difícil relação que tenho com ovos escalfados...).

Com a intenção de fazer labneh, pus meio litro de iogurte grego a coar no frigorífico por 24h. Depois já não me apetecia labneh e usei o iogurte para fazer esta espécie de pão (embora chamem-lhe biscuits. oh menina, eu sei lá!) que encharquei com parmesão ralado e colheres de sopa de cebolinho seco.
Para barra no pãozinho, fiz isto da "manteiga" de curgete, que é gira e tem sabor suave.

Ontem também papámos hamburgers de perú e ervas com aioli picante (não muito porque nem toda a gente ama, por isso, houve sriracha à parte). Estes hamburgers são lindos, merecem o mundo e toda a gente deveria fazê-los porque são super!! Além disso, levam gruyère (o que significa que são mais uma forma de gastar a quantidade industrial de queijo que permanece no nosso frigorífico). Aqui voltei a perceber que, mesmo sendo bioquímica, sou um zero a fazer maionese e tudo o que é primo da mesma. Viva a maionese calvé (a ela juntei a mostarda de grão chiquíssima que trouxe da Suíça).

Por fim, e porque é altura das ameixas, fiz o tão-amado bolo de ameixa (que ficou um dia inteiro à espera de ser comido, e assim é que é bom, com o suminho das ameixas a espalhar-se pelo bolo) servido com o gelado de natas do pingui.

1 comment:

Joana A. said...

Essa purple plum torte... Aiai...