27.2.11

Hoje sonhei

Uma rapariga de cabelos pretos, magra, de ar angelical, muito rica e que se maquilhava com purpurinas por toda a cara. Ela gostava de pinar com um rapaz loiro de quem gostava muito. Esse rapaz adorava que ela usasse ligas feitas de material de fralda (?). Eu tentei dizer à rapariga que o tal rapaz tinha um desejo mórbido por morte.

Sonhei também com uma casa em que nada era real, que a casa crescia e que por mais que corresses nunca chegavas ao fim. A comida lá era infinita mas se comesses poderias morrer. O Fernando Pessoa andava por lá. Ou a casa era dele, não me lembro.

Havia também um homem mau que queria matar e torturar pessoas. Lembro-me de me esconder debaixo da cama.

2 comments:

Catarina Abrantes said...

também tenho sonos desse género..

samson said...

o subconsciente da matilde é um lugar estranho. qual amor, qual quê.